Estrututura e Acervo

O que temos a oferecer

O projeto de criação do Museu da Escrita tem como meta se tornar um ponto de atração ao turismo cultural, indutor de qualificação e vitalidade econômica e urbana, além de operar com outras atividades na cidade tais como ações educacionais e informativas.

Buscamos promover a valorização da memória dos testemunhos da escrita e dos registros históricos, através da preservação, da pesquisa e da comunicação de seu acervo, visando o acesso irrestrito do patrimônio integral.

Nossa Estrutura e Acervo

O imóvel, onde está situado o Museu da Escrita, constitui-se de uma casa com aproximadamente 450m² de área construída,  onde anteriormente funcionou a loja de uma fábrica de móveis de arte, denominada Companhia do Ferro, a qual, no seu tempo, fez grande sucesso nos meios ligados à decoração de ambientes. Em  estilo colonial, ajardinada, protegida por robusto gradil, teve suas dependências adaptadas para exposição com o ajuste e construção de novos ambientes, alargamento de passagens, criação de rampas e corrimãos, instalação de toillets com acessibilidade, entre outros melhoramentos.

Consulte alguns itens

A coleção do museu foi adquirida ao longo dos últimos 8 anos, constituída apenas de objetos ligados ao processo da Escrita. Trata-se de uma coleção de objetos impessoais. Sabe-se que são objetos que tiveram funções, algumas relevantes e outras menos destacadas no processo escritural, mas todas, como anteriormente mencionado, com seu papel na história da escrita. Algumas réplicas de dezenas de séculos atrás, outras originais de seculos mais recentes e algumas de grande utilização já na época moderna quando da popularização da escrita.

Ressalta-se em nosso acervo coleção de máquinas de escrever que abrange peças dos finais do século XIX – início da fabricação destes equipamentos – até as mais modernas máquinas de escrever elétricas e eletrônicas, algumas delas ainda em uso por pessoas que, de todo, ainda não aderiram ao uso do computador.

Coleções de Biblías, tinteiros antigos, penas de molhar, canetas tinteiros – réplicas das mais famosas canetas já fabricadas – grampeadores e perfuradores para papel, dos mais rústicos aos mais exóticos, compõem, entre outros bens, um  acervo de colecionismo antigo e raro.

Ressaltam-se coleção de Bíblias nos mais diversos idiomas.

 

© Museu da Escrita 2012. Todos os direito reservados